A propriedade é um roubo!

Precisamos superar o gap de enxergar o registro como escotilha de salvação da propriedade privada.

Bobagem. O registro é instrumento, não fim.

A locação social, os direitos parcelares, as concessões, as enfiteuses, as locações transpessoais, e a multidão de “novos” velhos direitos são uma recuperação engraçadíssima dos modelos medievais.

Chegaremos a uma latitude em que para pôr fim a essa trama inexpugnável de direitos sobre direitos será necessária… uma revolução francesa! Que entre outras coisas, à guisa de destruir a ordem jurídica medieval, aboliu a pletora multifária de direitos reais, “liberalizando” a terra. Daí o nascimento da tipicidade de direitos reais… a teoria de numerus clausus dos direitos das coisas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s